ACESSIBILIDADE:
Acessibilidade: Aumentar Fonte Acessibilidade: Retornar Fonte ao Tamanho Original Acessibilidade: Diminuir Fonte
Ícone do YouTube Ícone do Facebook Ícone do Instagram Ícone do Twitter Ícone do Tik Tok
Ícone Sanduíche para Navegação
Logotipo do Projeto Cartografias de Boas Práticas da Rede Navegue pelo mapa e conheça as diferentes ações escritas e promovidas por profissionais de toda a nossa Rede.
Boas Práticas
Educação de Jovens e Adultos
Essa tal de sustentabilidade
Informações
Sequência Didática
Resultados Observados
UNIDADE DE ENSINO
CIEP Armindo Marcílio Doutel de Andrade - 9ª CRE
Rua Flávio Fraga S/nº - Campo Grande
AUTOR(ES)
Thaís Sousa da Fraga; Adriana Silva Freitas; Rute Abrahao da Cunha; Ana Maria Silva da Silva
Adriana Silva Freitas, carioca. Formada em Licenciatura Letras - português/inglês pela UFRJ. É professora de inglês na Prefeitura do Rio de Janeiro desde 2010.
Ana Maria Silva da Silva, nascida em Rosário do Sul, RS. Licenciada em Educação Física pela Universidade da Região da Campanha. Pós-graduada em Psicopedagogia Clínica e Institucional pela SIMONSEN/RJ. É professora de Educação Física na Prefeitura do Rio de Janeiro, desde 2000.
Rute Abrahao da Cunha, carioca. Graduada em Educação Física pela Universidade Castelo Branco, pós-graduada em Gestão Educacional Integrada, pelo Instituto Superior de Educação Afonso Cláudio. É professora de Educação Física desde 2003 na Prefeitura do Rio de Janeiro.
Thaís Sousa da Fraga, carioca. Formada em Licenciatura em Educação Artística com habilitação em artes Plásticas pela UFRJ e em Tecnóloga em Design de Interiores pela Universidade Veiga de Almeida. É professora de artes visuais na Prefeitura do Rio de Janeiro desde 2012
CARGO/FUNÇÃO DO AUTOR
Professora I
EJA/Bloco
EJA I Bloco 1 , EJA I Bloco 2 , EJA II Bloco 1 e EJA II Bloco 2
COMPONENTE CURRICULAR
CIÊNCIAS / Analisar o conceito de sustentabilidade no âmbito individual e coletivo do sujeito, considerando a relação entre a degradação dos ambientes com contexto político, econômico e sociocultural nos quais a sociedade está inserida.
CIÊNCIAS / Compreender que a saúde é um bem individual e coletivo e, portanto, é de responsabilidade de cada um, da sociedade e do Estado.
CIÊNCIAS / Perceber-se enquanto parte integrante do ambiente, afetando e sendo afetado por ele.
CIÊNCIAS / Problematizar causas, consequências e possíveis soluções para o descarte de resíduos.
CIÊNCIAS / Reconhecer a saúde individual e coletiva em suas dimensões física, mental, social e ambiental, como um bem e direito do cidadão.
CIÊNCIAS / Refletir sobre a produção de resíduos e a importância do consumo consciente.
CIÊNCIAS / Relacionar nossa saúde física, mental e social com a nossa cultura alimentar, bem como reconhecer os processos fisiológicos de digestão, circulação e respiração do corpo humano
EDUCAÇÃO FÍSICA / Reconhecer-se como elemento integrante do ambiente, adotando hábitos saudáveis relacionando-os com os efeitos sobre a própria saúde e melhoria da saúde coletiva.
HISTÓRIA/GEOGRAFIA / Reconhecer-se como sujeito de sua história e como participante dos diferentes grupos sociais que constroem a história da sociedade.
HISTÓRIA/GEOGRAFIA / Refletir sobre os impactos socioambientais e sua relação com o crescimento das grandes metrópoles e do êxodo rural.
LÍNGUAGENS ARTÍSTICAS / Atuar em conjunto com os demais componentes curriculares (disciplinas).
LÍNGUAGENS ARTÍSTICAS / Compreender a presença da arte no dia a dia.
LÍNGUAGENS ARTÍSTICAS / Contextualizar a LE na atualidade destacando a sua importância e uso.
LÍNGUAGENS ARTÍSTICAS / Trabalhar a conscientização de como o lixo pode ser transformado em arte, gerando trabalho e diminuindo os impactos ambientais.
PERÍODO DE REALIZAÇÃO
Agosto/2022 até Dezembro/2022
Sensibilização/Contextualização para o tema

Apesar de termos na escola lixeiras de coleta seletiva, percebemos que tanto alunos como funcionários não colocavam em prática o descarte adequado do lixo. Isso se dava pela falta de cultura e consciência ambiental, ausência de sinalização e o desconhecimento sobre os impactos diretos e indiretos do consumo e descarte exacerbado.

A partir do filme Lixo Extraordinário, começamos a refletir sobre as formas de consumo e descarte. E depois a estudar conteúdos mais específicos da questão da sustentabilidade.

Problematização
O tema sustentabilidade é recorrentemente trabalhado na Unidade Escolar, contudo as lixeiras de coleta seletiva eram inutilizadas ou usadas de forma errada. Percebemos que tal situação acontece por falta de cultura sustentável. Decidimos mudar essa cultura, com uma série de atividades que mostrassem a importância das ações individuais e que a sustentabilidade está relacionada com nossa saúde, vida social, ambiental e financeira.
Texto base

Segundo Loureiro, em Educação Ambiental Transformadora. "A educação ambiental transformadora enfatiza a educação enquanto processo permanente, cotidiano e coletivo pelo qual agimos e refletimos, transformando a realidade de vida. Está focada nas pedagogias problematizadoras do concreto vivido, no reconhecimento das diferentes necessidades, interesses e modos de relações na natureza que definem os grupos sociais e o lugar ocupado por estes em sociedade, como meio para buscar novas sínteses que indiquem caminhos democráticos, sustentáveis e justos para todos" (p.81)

Partindo dessa perspectiva, fizemos um trabalho mais extenso, multidisciplinar no qual a temática da sustentabilidade foi surgindo em diversas disciplinas ao longo de todo semestre, com filme, aula expositiva, debates, jogos e atividades para produção de materiais para o despertar da conscientização.

Desenvolvimento

Começando com o filme Lixo Extraordinário do artista plástico brasileiro Vik Muniz, conhecendo relatos pessoais de quem sobrevive do descarte inconsciente. A partir daqui, refletimos sobre a nossa forma de descarte, o que podemos mudar individualmente para que catadores, como os que aparecem no filme tenham o trabalho mais humano. Refletimos também sobre quem são as pessoas ao nosso redor que catam esses materiais.

Com uma aula expositiva, estudamos o que é sustentabilidade, de que maneira ela afeta nossas vidas e o que são as ODS.

Conhecemos algumas ações coletivas e individuais que mudaram e estão mudando suas localidades a partir de pensamentos sustentáveis.

Conhecemos o tempo de decomposição de materiais que usamos rotineiramente e descobrimos o que pode acontecer com o descarte errado desses materiais.

Refletimos sobre quais ações e equipamentos nossa escola já possui alinhadas com a sustentabilidade.

Durante uma dinâmica exercitamos nosso conhecimento sobre que material deve ir para cada lixeira. (Nessa mesma atividade tivemos um diálogo com a horta da escola, pois nessa dinâmica o grupo vencedor teve o direito de escolher a hortaliça que levaria para casa).

Produzimos sinalização para os locais onde precisamos melhorar nossas atitudes em relação aos equipamentos existente na escola, como lembrar de jogar o lixo de plástico na lixeira de plástico, o de papel no papel.

E finalmente, passamos a usar a lixeiras seletivas da escola de forma correta.

Produto Final
Inicialmente gostaríamos de ver os alunos usando as lixeiras de coleta seletiva da escola e quem sabe passar esse hábito para casa, mas a ação em casa não teríamos como mensurar Felizmente na última avaliação de português na redação alguns alunos não só relataram que haviam aprendido, como o fato de estarem fazendo, em casa, a separação de lixo.
Não só alunos como funcionários passaram a usar as lixeiras de coleta seletiva, começamos a ver mais funcionários da escola se organizando para usar menos descartáveis. Nas redações os alunos relatavam mudanças de atitudes fora do ambiente escolar e durante a formatura onde foram usados copos descartáveis, colocamos a lixeira de plástico no refeitório e ao final da festa, a lixeira estava cheia de plástico.
Registros
Envie sua mensagem
E aí, professor(a)?

Gostou dessa ação, tem alguma sugestão ou quer tirar alguma dúvida com este(a) professor(a)? Mande uma mensagem para ele(a) aqui. As Cartografias também consistem neste espaço de trocas e compartilhamentos do que se produz na Rede Municipal de Educação carioca.