14 Novembro 2018
0
0
0
s2sdefault
 
Cordel Mulheres1 interna
Cena do espetáculo encenado por professoras da Rede. Divulgação

O cordel foi reconhecido como patrimônio cultural imaterial brasileiro em setembro deste ano, mas antes disso, o gênero literário já estava em alta na Rede Pública de Ensino da cidade do Rio de Janeiro. Desde meados de 2017, um grupo de 10 professoras vem encenando o espetáculo teatral Mulheres no Cordel e cerca de outras 35 têm participado do projeto Versos de Cordel na Cena Carioca, realizado pela Gerência de Leitura e Audiovisual (GLA) da Secretaria Municipal de Educação.

As oficinas do projeto são ministradas pela atriz e arte-educadora Beth Araújo e pela cordelista Rosário Pinto, que ensina a estrutura, a métrica e as rimas do gênero. Escrever uma história de cordel pode ser tarefa fácil para quem, como ela, cresceu ouvindo suas narrativas. Mas para a maioria das professoras participantes, que não foram criadas dentro desta tradição oral, conceber poesias em forma de sextilhas* ou setilhas** (ou ainda outros tipos de estrofes características) é um grande e laborioso aprendizado.

O objetivo do projeto, contudo, não é formar virtuoses nesse gênero de literatura e sim fornecer às professoras ferramentas que estimulem os alunos a conhecer o cordel, valorizando-o como tradição cultural e possível meio de expressão e inspiração. Como se trata de poesia com forte viés oral, Beth Araújo capricha nas oficinas de expressão cênica – da interpretação à confecção dos cenários, figurinos e adereços –, sem esquecer da perspectiva escrita. Além das técnicas de composição literária aprendidas com Rosário Pinto, as participantes colocam a mão na massa para fazer seus folhetos, incluindo capa e gravura características.

Cordel PoesiaEncena Interna
Atividade do projeto Poesia Encena, promovido pela SME. Divulgação

Tanto as oficinas Versos de Cordel na Cena Carioca como a peça Mulheres no Cordel são desdobramentos do projeto Poesia Encena, iniciado em 2013, com o objetivo de levar aos professores da Rede uma compreensão mais ampla dos diversos processos poéticos e dar suporte a um outro projeto mais amplo: o Poesia na Escola. Desde então, o empreendimento vem acontecendo todos os anos sob a batuta da atriz e arte-educadora Beth Araújo.

Segundo ela, Poesia Encena trabalha com uma metodologia que inclui três etapas: uma pequena parte teórica acerca do movimento artístico do qual o poema faz parte; uma reflexão de como ele pode ser adaptado para a escola; e, finalmente, uma prática sobre as análises feitas. “Buscamos dar ao professor instrumentos para que ele brinque de poesia com os alunos, usando os elementos do teatro”, explica.

Gerando frutos

Cordel Mulheres2 interna
Mulheres no Cordel. Divulgação

Na edição de 2016, o projeto ganhou desdobramento: a criação da Cia. de Teatro Poesia Encena, que produziu seu primeiro espetáculo: Colar de Cora, Colares de Coralina. No ano seguinte, aconteceu a montagem de Mulheres no Cordel, utilizando recursos multimídia e narrando a história de autoras do gênero literário, a começar pela primeira delas: Maria José das Neves Pimentel, que, em 1936, publicou O Violino do Diabo ou o Valor da Honestidade com o pseudônimo Altino Alagoano (seu marido).

“O espetáculo é impactante. Tem projeção de slides, música ao vivo... Muita gente sai sem acreditar que ele tenha sido feito só por professoras”, conta Clarice Campos, professora de Língua Portuguesa e da Sala de Leitura da E.M. Eunice Weaver (7ª CRE). “O processo de criação do espetáculo foi muito interessante. A Rosário Pinto nos ajudou, entrando em contato com um grupo forte de cordelistas do Crato e do Juazeiro do Norte, no Ceará. Eles nos enviaram várias informações fundamentais à criação do texto”, relata Beth Araújo.

Quando a equipe da SME tomou conhecimento da peça e de sua cuidadosa produção, convocou Beth para a realização de oficinas específicas, só do gênero literário, para os professores da Rede. “Isso tudo aconteceu bem antes do cordel ser proclamado patrimônio imaterial brasileiro”, diz ela, feliz pela coincidência.

Cordel Versos Interna
Oficina Versos de Cordel na Cena Carioca. Divulgação

E assim nasceu o projeto Versos de Cordel na Cena Carioca, cuja culminância acontece neste mês de novembro, no Ciep Tancredo Neves (2ª CRE), no Catete, onde os participantes estão apresentando o resultado de suas criações.

----------

* Sextilha - É a estrofe mais comum no cordel, formada por seis versos de sete sílabas poéticas, com o segundo, o quarto e o sexto rimados.

** Setilha ou septilha - A estrofe possui sete versos: o segundo, o quarto e o sétimo verso rimam entre si; o quinto e sexto formam uma segunda rima. 

Relacionados
Mais Recentes