26 Agosto 2019
0
0
0
s2sdefault
 
Oficina de argila na E.M. Escultor Leão Velloso (6ª CRE), Pavuna

Arte, esporte, culinária e sustentabilidade – oficinas nessas áreas tornam as escolas públicas municipais mais atraentes para alunos e professores. Esses são os temas mais constantes entre as disciplinas eletivas disponíveis nas unidades de segundo segmento (6º ao 9º ano), em turno único (7:30h às 14:30h). A cada semestre, as comunidades escolares dessas unidades montam cardápios divulgados no “feirão das eletivas”.

O encontro entre o que os professores de cada unidade podem oferecer (além da disciplina regular para a qual são contratados) e o interesse dos alunos é que define as oficinas e projetos. “O objetivo é despertar o interesse dos estudantes pela escola e proporcionar-lhes descobertas que influenciem positivamente suas ações futuras”, explica Daniele Peres, assessora da Coordenação da Educação Básica da SME.

O professor de Inglês Marcello Borring, da E.M. André Urani (2ª CRE), na Gávea/Rocinha, ministra, desde 2015, uma disciplina eletiva de produção audiovisual, chamada TV Gente. Os estudantes criam vídeos curtos, aprendendo a captar, editar e exibir imagens e sons. “As eletivas são um espaço onde os estudantes podem se descobrir. Fico emocionado quando vejo um menino, que não conseguia olhar nos olhos para conversar, quebrar a timidez e fazer entrevistas porque tem interesse naquele movimento”, conta o professor.

No primeiro semestre de 2019, o grupo que faz a TV Gente escolheu as próprias disciplinas eletivas da escola como tema a ser abordado. Para tanto, entrevistaram os professores para que falassem sobre o trabalho. O resultado foi publicado na página do Facebook da unidade.

Pavuna

“As disciplinas eletivas são um momento de ânimo para os estudantes porque as aulas fogem do convencional e são dadas com mais leveza. Mesmo no caso da eletiva Reforço de Matemática, que trabalha conteúdos considerados difíceis, essa regra se aplica. Há menos quadro, cópia e apostila e mais jogos e situações cotidianas para desenvolver o raciocínio lógico”, relatou Verônica Carvalho, diretora-adjunta da E.M. Escultor Leão Velloso (6ª CRE), em Pavuna. Além de Reforço de Matemática, a escola ofereceu, no primeiro semestre de 2019, outras oito eletivas: Espanhol, Leitura e Escrita Criativa, Handebol, Teatro, Artesanato, Estandartes e Horta.

Inhaúma

Kátia Labolita, coordenadora pedagógica da E.M. Ceará (3ª CRE), em Inhaúma, ressalta que o maior benefício para os estudantes é a possibilidade de escolha e de reconhecer o que gosta e aprecia. “A interação com as outras turmas é também um ponto relevante. As turmas, com até 25 alunos, misturam adolescentes do 7º ao 9º ano”. A E.M. Ceará oferece Artes Plásticas (desenho, história em quadrinhos, máscaras de papelão e fotografia), Dança, Poesia, Futebol e Matemática, entre outras.

Introdução à Robótica, E.M. Ceará (3ª CRE), Inhaúma

As eletivas ministradas pelos professores de Matemática Gabriel Cacau e Carla Sobrinho na E.M. Ceará são disputadas. No primeiro semestre, Gabriel deu noções de programação e no segundo semestre deve abordar educação financeira. Já Carla está dando Introdução à Robótica. “Apesar de não termos muitos recursos, o grupo constrói ao menos uma pequena máquina. No caso dessa eletiva, o número máximo de estudantes é 20”, explica Kátia.

Taquara

“As disciplinas eletivas constituem um enriquecimento curricular para os estudantes e também promovem a socialização e a autonomia”, afirma Sandra Simões, coordenadora pedagógica da E.M. Governador Carlos Lacerda (7ª CRE), na Taquara. A unidade tem oficinas de culinária, espanhol, teatro e também cursos que atendem a demandas específicas, como caligrafia para o 7º ano e Matemática para concursos de ingresso no Ensino Médio em instituições disputadas. “Nesse caso, não se trata apenas de reforço, mas de ofertar conteúdo avançado para que os candidatos tenham mais chances de conseguir uma vaga”, garantiu Sandra.

Como funcionam

As disciplinas eletivas surgiram na Rede Pública Municipal de Ensino do Rio de Janeiro em 2011. “São projetos de dois tempos semanais, de preferência, consecutivos, totalizando uma hora e 40 minutos por semana. O aluno escolhe, ao menos, uma eletiva, porque faz parte da grade curricular”, detalha Daniele Peres, assessora da Coordenação da Educação Básica da SME.

Além das áreas já citadas, muitas outras são contempladas: iniciação científica; xadrez; línguas estrangeiras e, no caso das escolas bilíngues, aspectos culturais das nações envolvidas. Daniele Peres acrescentou que as eletivas também estimulam o protagonismo juvenil, na medida em que adotam a monitoria entre alunos e ex-alunos.

Ao final dos semestres, a comunidade escolar de cada unidade promove uma exposição dos trabalhos realizados, avalia o que deu certo e o que não funcionou nas eletivas do período, dialoga sobre a permanência ou a mudança de oficinas e projetos e sugere novos temas a serem abordados.

Mídias Relacionadas
Relacionados
Mais Recentes