05 Outubro 2021
0
0
0
s2sdefault
 
Rio de Janeiro assume o primeiro lugar na categoria Tecnologia e Inovação do Ranking Connected Smart Cities (Foto: Alberto Jacob Filho)

A inovação vem sendo usada como instrumento de desenvolvimento sustentável e inclusivo em cidades de todo o mundo.

Cada vez mais iniciativas estimulam o desenvolvimento de tecnologias e projetos que busquem solucionar problemas nas áreas de mobilidade urbana, de saneamento e de manejo de recursos hídricos, de eficiência energética etc.

A implantação de novas tecnologias nos últimos meses contribuiu para que o Rio de Janeiro assumisse o primeiro lugar na categoria Tecnologia e Inovação do Ranking Connected Smart Cities, estudo que mapeou todos os 677 municípios com mais de 50 mil habitantes no país, com o objetivo de apresentar as cidades mais inteligentes e conectadas.

Os dados são da 7ª edição do estudo elaborado pela Urban Systems, em parceria com a Necta, divulgado no início de setembro de 2021.

O Rio também é destaque nas categorias Empreendedorismo (2º lugar) e Mobilidade (4º lugar). No ranking geral, a capital ocupa o sétimo lugar.

Rio, Cidade Inteligente

Segundo o estudo Smart Cities, do Sebrae (2017), “Cidade Inteligente é uma cidade inovadora que utiliza as Tecnologias de Informação e Comunicação e outros meios para melhorar a qualidade de vida, a eficiência das operações e serviços urbanos e a competitividade, atendendo as necessidades das gerações atuais e futuras nos aspectos econômico, social e ambiental”.

A discussão sobre cidades inteligentes tornou-se mais expressiva no Brasil com os eventos esportivos ocorridos no Brasil em 2014 e 2016 e os debates sobre os desafios de infraestrutura nas cidades brasileiras.

Nesse contexto, algumas iniciativas se destacaram no Rio de Janeiro, como a revitalização da zona portuária (Projeto Porto Maravilha), intervenções urbanas nas áreas de mobilidade, de lazer, de contenção de águas pluviais etc.

Também nesse cenário surge o Centro de Operações Rio (COR). Inaugurado em dezembro de 2010, seis anos antes dos Jogos Rio 2016, foi o primeiro equipamento olímpico entregue pela Prefeitura do Rio.

O prédio do COR funciona como quartel-general de integração das operações urbanas no município. Lá, estão integrados cerca de 30 órgãos, entre secretarias municipais e concessionárias de serviços públicos, com o objetivo de monitorar a operação da cidade e minimizar seus impactos na rotina do cidadão ou durante a realização de grandes eventos.

Em 2011, a Prefeitura do Rio lançou, ainda, a Central 1746, canal de comunicação direto entre o poder público e os cidadãos: por telefone, pelo site ou pelo aplicativo no celular, é possível requisitar qualquer serviço público, como coleta de lixo e troca de lâmpada em poste.

Todas essas iniciativas levaram à escolha do Rio de Janeiro como a Cidade Inteligente do Ano em 2013, pelo Smart City Expo World Congress, evento global de destaque sobre cidades inteligentes. O Rio foi a primeira cidade latino-americana a conquistar a premiação.

Programa de inovação e aceleração: inscrições abertas para o Desafio COR

O Centro de Operações trabalha no desenvolvimento de ferramentas inovadoras que contribuam para uma cidade mais inteligente e resiliente, e ajudem a salvar vidas.

Uma iniciativa nesse sentido é o Desafio COR – Smart City, Smart People – programa de inovação e aceleração do órgão. A terceira edição do desafio começa em outubro e será voltada ao aprimoramento da comunicação em situações de emergência urbana.

“Não existe cidade inteligente sem diálogo com o cidadão. Esta edição do Desafio COR tem muito a ver com a relação entre cidadão, imprensa e governo. Estamos buscando novas formas de nos comunicar e interagir com o cidadão. Fazer com que o governo chegue mais perto do cidadão, de forma mais simples, mais objetiva, com qualidade das informações. E que o cidadão possa ter a informação na mão, na hora que ele sai de casa ou em qualquer lugar que ele esteja, e saiba que o serviço público está do lado dele. É isso que a gente espera no próximo desafio”, afirma Alexandre Cardeman, chefe executivo do COR.

Grupos, empresas ou startups interessados em participar podem se inscrever até o dia 14 de outubro.

Durante o desafio, o COR se transforma em um laboratório vivo para soluções de cidades inteligentes, oferecendo todos os recursos disponíveis aos participantes: disponibilização de dados relacionados ao tema abordado; mentoria técnica de especialistas do COR e de outros órgãos da Prefeitura do Rio; mentoria de inovação e de negócio oferecida pela prefeitura e por parceiros do mercado privado; e acesso ao ecossistema de inovação do COR (atores nacionais e internacionais).

Esta edição conta com parceria inédita com a Prefeitura de Colônia, na Alemanha. As etapas iniciais (ideação e aceleração) serão online, com abertura no dia 18/10. Na última etapa, que é de incubação e pode durar até 22 meses, os projetos vencedores são experimentados e aperfeiçoados no COR. Mais informações estão disponíveis no site do COR.

 

 
Relacionados
Mais Recentes