22 Julho 2015
0
0
0
s2sdefault
 

medici2Falta d’água, melhor nem pensar! É com esse espírito que muitas escolas da Rede Municipal de Ensino têm incorporado ao seu projeto político-pedagógico a discussão sobre um consumo consciente. Algumas chegam até a pegar carona nas comemorações do aniversário dos 450 anos do Rio de Janeiro. A movimentação faz todo o sentido: afinal, ninguém deveria estar mais interessado na questão da água do que as futuras gerações.

Sem limite de idade para começar

No EDI Evaristo da Veiga (7ª CRE), o tema Águas do Rio está sendo trabalhado ao longo de todo o ano, tanto no segmento da creche quanto do pré-escolar. Mesmo sendo muito pequenos, os alunos, com idades que variam de 2 a 5 anos, já podem ter o primeiro contato com noções do assunto. “Eles têm participado das atividades com muita motivação”, conta a coordenadora pedagógica Leonora Alves de Aquino. A fim de despertar as 325 crianças para a importância da água, a equipe partiu para uma ação em três frentes que estão diretamente ligadas ao cotidiano dos pequenos.

A começar pela água presente nos alimentos. As turminhas puderam acompanhar a preparação da merenda escolar, fazer perguntas aos adultos e, por fim, participar de um piquenique bastante saudável. Outra oportunidade de educar sobre a economia de água surge na hora de aprender cuidados com a higiene – seja na escovação dos dentes, no controle da torneira ou no uso da descarga. Aproveitando o aniversário dos 450 anos da cidade, os professores também desenvolveram trabalhos a partir dos pontos turísticos do Rio de Janeiro em que a água é protagonista, como a Lagoa Rodrigo de Freitas.

Suportes diversos em favor da causa

Na E.M. Avertano Rocha (7ª CRE), o mote para os trabalhos está bem claro já no nome do projeto – Água: Preservar para Não Faltar. Explicar como se processa o ciclo da água na natureza, identificar as principais formas de economizar e promover a troca de experiências são contribuições dos professores para que as 600 crianças da escola cresçam com uma perspectiva de mais respeito ao meio ambiente. “A coordenação fez o projeto a partir do pedido dos professores”, conta a pedagoga Elane Soares de Souza, uma das que mais se destacaram nas apresentações realizadas durante a Festa da Família, realizada em maio.

avertanoCom sua turma de 6º ano, a professora encaminhou uma série de estratégias. Como ponto de partida, usou um trabalho sobre reciclagem, proposto no Caderno Pedagógico. “Fui por um caminho de empreendedorismo. Fizemos uma lojinha com produtos feitos de material reciclado, e também um jornal de classificados. As crianças de toda a escola puderam vir fazer suas compras com dinheiro de brinquedo, o que trouxe a Matemática para uma situação prática.” Já na disciplina de Língua Portuguesa, sob a orientação de Elane, a criançada, que está na faixa entre 10 e 12 anos, optou por compor em conjunto um rap sobre preservação.

O ápice da conscientização sobre o uso da água contou com o reforço de materiais audiovisuais, não só os baixados da internet, mas também dos MultiKits da MultiRio, e sempre com um debate em seguida à apresentação. Um dos mais impactantes, disponível no YouTube, reproduz em vídeo o conteúdo da chamada Carta Escrita no Ano 2070. O texto foi publicado, pela primeira vez, em abril de 2002 na revista mexicana Crónicas de Los Tiempos e acena com um futuro sombrio para uma humanidade praticamente privada de água e de toda vida que dela depende. Para fechar as discussões, Elane pediu a cada aluno que escrevesse uma síntese do filme, ressaltando as diferenças dessa tipologia textual para os anúncios produzidos na outra fase do projeto.

Mobilização de toda a escola

Na E.M. Presidente Médici (8ª CRE), o Projeto Água, culminância das atividades comemorativas dos 450 anos da cidade, aconteceu com um evento especial no fim de junho, realizado para toda a comunidade escolar. “Tivemos apresentação de jogral, da Banda do Centro Multicultural Presidente Médici e também uma dramatização inspirada na Carta de 2070”, destaca a coordenadora pedagógica Maria Stella Pacheco.

mediciAo longo de todo o semestre, o tema da água foi trabalhado em várias disciplinas. Nas aulas de Ciências, com confecção de cartazes sobre pequenas atitudes do cotidiano que fazem uma grande diferença no uso consciente do recurso. Já nas aulas de História, as crianças foram convocadas a produzir tirinhas, relacionando informações da antiga Mesopotâmia aos cuidados contemporâneos de combate ao mosquito da dengue. Na avaliação de Artes, as turmas tiveram a tarefa de colorir desenhos que ilustravam um texto sobre a distribuição da água na natureza e sua importância para os seres vivos.

Outra estratégia de destaque foi a parceria com o projeto Foz Águas 5 nas Escolas, uma iniciativa conjunta da Foz Águas 5, da Unesco e da Secretaria Municipal de Educação que trata de sustentabilidade e de preservação do meio ambiente. Desde maio de 2012, a Foz Águas 5 é responsável pela coleta e tratamento de esgoto de 21 bairros da Zona Oeste. Além da prestação de serviço, a empresa desenvolve projetos socioambientais que incluem a criação de jogos didáticos nas escolas da região, com base nos eixos conceituais do Caderno Pedagógico Recursos Hídricos, Saúde e Saneamento Básico.

No processo, os alunos são estimulados, também, a utilizar diferentes linguagens – como esquetes de teatro, maquetes, campanhas de conscientização, exibição de filmes... – para promover a reflexão sobre o tema da água. O projeto prevê a criação de um blog, que visa a envolver toda a comunidade em prol da preservação dos recursos hídricos. Ao fim do processo, cada escola concorre com uma proposta de desenvolvimento local, e a escolhida recebe recursos para implantar o que foi concebido pelo grupo.

Mídias Relacionadas
Relacionados
Mais Recentes