02 Setembro 2021
0
0
0
s2sdefault
 
Amina foi rainha de Zazau (Zaria), no norte da Nigéria (Imagem: Portal Dreamstime)

Amina, ou Aminatu, foi uma das maiores lideranças femininas que surgiram no século XVI no continente africano. Estima-se que ela tenha nascido em 1533.

Foi rainha de Zazau (depois, conhecida como Zaria), uma das cidades-estados hauçás, no norte da Nigéria.

Chegou ao poder por sucessão ao governo do então falecido pai, Bakwa Turunku.

Seu reinado durou cerca de três décadas e foi marcado por grandes avanços econômicos e militares.

Como rainha, removeu obstáculos comerciais impostos ao seu reino e abriu novas rotas de comércio. Também expandiu os territórios sob seu domínio.

Ordenou, ainda, a construção de uma espécie de muralha defensiva em torno de Zaira e de outros campos militares. Essas edificações tornaram-se uma característica comum entre os estados hauçás e ficaram conhecidas como “muros de Amina” (Ganuwar Amina) – embora pesquisas arqueológicas indiquem que as construções não coincidem com o período em que a soberana esteve à frente do governo.

Até hoje, as estruturas e ruínas do palácio de Amina e dos campos de treino militar podem ser vistas na cidade de Zaria.

Amina é retratada em esculturas, pinturas, selos postais, peças teatrais e obras de literatura infantil e juvenil. Até hoje, é sinônimo de força e bravura feminina.

Diz-se que sua trajetória inspirou a criação da princesa guerreira Xena, personagem de uma série televisiva dos anos 1990.

A História da África – conteúdo previsto na Lei N.º 11.645/2008 – é repleta de mulheres que tiveram grande importância e, até hoje, são símbolos de resistência e consideradas heroínas nacionais nas regiões onde viveram.

Diversas histórias são fruto da tradição oral e muitas informações não são unanimidade entre pesquisadores e historiadores. Além disso, há distorções na história contada por colonizadores europeus, especialmente no que se refere a mulheres que tiveram papel de destaque na resistência ao avanço do imperialismo.

Fontes:

Projeto Biografias de mulheres africanas, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.
Site Rainhas Trágicas, do historiador Renato Drummond Tapioca Neto.
Site Ensinar História, de Joelza Ester Domingues.

Veja também:
Relacionados
Mais Recentes