ACESSIBILIDADE
Acessibilidade: Aumentar Fonte
Acessibilidade: Tamanho Padrão de Fonte
Acessibilidade: Diminuir Fonte
Youtube
Facebook
Instagram
Twitter

Rio, uma cidade portuguesa com certeza
SÉRIE
Rio Multicultural - reportagens
17 Março 2014 | Por Márcia Pimentel
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Whatsapp

PORTUGUESES-REAL-GABINETEEm função do passado pré-colombiano, escravista e colonial, o Brasil é tido como um país de matrizes culturais indígenas, africanas e ibéricas. Mas, no caso do Rio de Janeiro, pelo menos as matrizes ibéricas devem ser multiplicadas em relação ao restante do país, pois, além de ter sido sede do império lusitano durante 12 anos, entre 1808 e 1820, é a cidade brasileira que recebeu o maior fluxo de imigrantes portugueses após o Grito da Independência.

Embora esse fluxo – bastante intenso até a década de 1930 – tenha sido marcado por momentos de forte sentimento antilusitano, é consenso entre os historiadores que o Rio é a cidade mais portuguesa do país. Os milhares de “seus Manuéis e Joaquins”, com suas quitandas, padarias, armazéns e botequins espalhados pelos mais diversos bairros, viraram característica e referência da capital carioca. Isso sem falar das inúmeras personalidades de origem portuguesa que marcaram a vida cultural do Rio e das instituições da cidade fundadas por lusos, ou com grande participação deles, como é o caso da Biblioteca Nacional, do Jardim Botânico, do Real Gabinete Português de Leitura, do Teatro Ginástico, do Clube Vasco da Gama...

Sonhos do além-mar

Durante o período dos grandes fluxos imigratórios para o Brasil (de 1850 a 1930), o Rio sempre recebeu um grande contingente de estrangeiros. Segundo o censo de 1890, 35% da população do então Distrito Federal era estrangeira, sendo 68% de portugueses. Isso significa que cerca de 25% dos habitantes da capital federal, nessa época, eram lusos. Na virada para o século XX, a chegada desses imigrantes se intensificou ainda mais. Essa presença maciça confere a eles papel privilegiado na PORTUGUESES-GARRAFEIROS-3constituição da cidade pós-colonial: podemos dizer que eles estão para o Rio assim como os italianos para São Paulo.

Mas, ao contrário dos italianos, os portugueses não eram imigrantes subsidiados pelo governo federal. A maioria, formada por homens jovens, oriundos do norte de Portugal, acalentava sonhos de ascensão social. Vinham para cá sem família, para fazer seu pé-de-meia e voltar, enriquecidos, à terra natal – fato que, na maioria das vezes, não se concretizava, porque acabavam constituindo família e outros laços por aqui. Para sobreviverem, se estabelecerem e vencerem na cidade, eles fundaram associações culturais, beneficentes e de auxílio mútuo – e até mesmo casas bancárias, para financiar seus projetos e negócios.

Vários autores apontam que uma das características mais marcantes da imigração lusa foi a grande quantidade de jovens caixeiros, entre 14 e 20 anos, que aportaram no Rio de Janeiro em busca do sonho de enriquecer. Grande parte deles se dedicou às atividades comerciais. Outra parte bastante significativa disputava os espaços no mercado de trabalho com os brasileiros natos e os escravos libertos e de ganho, gerando insatisfação entre os naturais da cidade.

Lusos versus brasileiros

A concorrência na disputa por trabalho aprofundou o sentimento antilusitano, os preconceitos e as rixas que tinham se acirrado com o processo de independência, quando “ser brasileiro” se transformou em uma construção política relacionada à liberdade e que se opunha fortemente a “ser português”. Um dos momentos culminantes desse antilusitanismo aconteceu em 1831, quando violentos confrontos entre portugueses e brasileiros, conhecidos como Noites das Garrafadas, tomaram as ruas do centro da cidade do Rio, aprofundando a crise política instaurada no governo de dom Pedro I, que acabou abdicando do trono cerca de um mês depois. Mesmo assim, o sentimento antilusitano atravessou o século.

Nos primórdios da República, o sentimento contra os portugueses se acirrou ainda mais, ao ponto de o Brasil cortar as relações diplomáticas com Portugal. A substituição do marechal Deodoro por Floriano Peixoto na Presidência da República gerou insatisfações e contestações, o que resultou em inúmeros movimentos antiflorianistas, sendo a Revolta da Armada, liderada pelo contra-almirante Custódio de Mello, o mais importante deles. Os rumores de que os marinheiros rebelados contavam com o apoio pecuniário da colônia portuguesa no Portugueses-Parc RoyalRio e o posterior asilo dado por um navio português, ancorado na Baía de Guanabara, aos rebeldes culminaram no corte das relações do Brasil com Portugal, entre 1893 e 94.

Mas mergulhar na herança portuguesa no Rio significa, sobretudo, adentrar na história dos negócios, principalmente no comércio, da cidade pós-colonial. Os lusos se fizeram presentes não só no pequeno comércio varejista, que acompanhou o crescimento da malha urbana, mas também estiveram fortemente vinculados ao comércio atacadista e de produtos de luxo, inclusive o da moda. É o caso da luxuosa e majestosa loja de departamentos Parc Royal, referência da elegância durante toda a belle époque.

 
Compartilhar pelo Facebook Compartilhar pelo Twitter Compartilhar pelo Whatsapp
MAIS DA SÉRIE
texto
Os indígenas e a construção do Rio de Janeiro

Os indígenas e a construção do Rio de Janeiro

22/10/2018

O carioca deve boa parcela de sua identidade aos Tupinambá e Temiminó.

Rio Multicultural - reportagens

texto
A presença polonesa no Rio de Janeiro

A presença polonesa no Rio de Janeiro

21/01/2015

Em um passeio pela Cidade Maravilhosa, é possível notar a presença e as marcas do país de Nicolau Copérnico, Frédéric Chopin e do Papa João Paulo II.

Rio Multicultural - reportagens

texto
O legado indígena na cidade e no povo carioca

O legado indígena na cidade e no povo carioca

11/08/2014

Você sabe por que a pessoa que nasce no Rio é chamada de carioca? Confira essa e outras incontáveis influências dos primeiros habitantes da cidade em nossa cultura.

Rio Multicultural - reportagens

texto
Chineses no Rio de Janeiro

Chineses no Rio de Janeiro

05/08/2014

A comunidade, presente na cidade desde a vinda da família real portuguesa, tem, hoje, mais de 10 mil imigrantes, que enriquecem a vida carioca com sua cultura milenar.

Rio Multicultural - reportagens

texto
A farta cultura árabe em terras cariocas

A farta cultura árabe em terras cariocas

22/07/2014

Comércio, indústria, construção civil, medicina e política são apenas algumas das áreas em que os sírio-libaneses têm deixado sua marca na vida da cidade.

Rio Multicultural - reportagens

texto
Africanos fazem parte da alma carioca

Africanos fazem parte da alma carioca

07/07/2014

O número de negros – escravos e livres – no Rio de Janeiro do século XIX era o maior entre as cidades das Américas. 

Rio Multicultural - reportagens

texto
Arigatô, Nippon!

Arigatô, Nippon!

24/06/2014

A cultura japonesa integra o dia a dia do cenário carioca, seja na arte, na gastronomia ou nos festejos da cidade.

Rio Multicultural - reportagens

texto
Britânicos hábitos cariocas

Britânicos hábitos cariocas

16/06/2014

Alguns pesquisadores afirmam que a primeira partida de futebol, no Brasil, foi promovida por um escocês que trabalhava em Bangu. Na verdade, os britânicos influenciaram uma série de costumes do Rio do Janeiro.

Rio Multicultural - reportagens

texto
Presença alemã nas esquinas e nos sabores do Rio

Presença alemã nas esquinas e nos sabores do Rio

10/06/2014

Agora é a Copa do Mundo que traz os alemães ao Brasil, mas essa viagem cruzando o oceano é de outros carnavais...

Rio Multicultural - reportagens

texto
Judeus no Rio de Janeiro, uma experiência plural

Judeus no Rio de Janeiro, uma experiência plural

27/05/2014

Com personalidades de destaque nos mais diversos ramos de atuação, imigrantes e seus descendentes vêm influenciando a vida carioca, do comércio à cultura, há gerações. 

Rio Multicultural - reportagens

texto
Espanhóis no Brasil: o início da luta por uma jornada de trabalho mais humana

Espanhóis no Brasil: o início da luta por uma jornada de trabalho mais humana

06/05/2014

Os "braceros", como eram chamados, foram responsáveis pelo início da organização da massa trabalhadora na cidade do Rio de Janeiro, na virada do século XIX para o XX. 

Rio Multicultural - reportagens

texto
Os imigrantes italianos e a Cidade Maravilhosa

Os imigrantes italianos e a Cidade Maravilhosa

15/04/2014

Segundo estudos, mesmo antes da segunda metade do século XIX já havia italianos no Rio de Janeiro, a serviço da corte portuguesa.

Rio Multicultural - reportagens

texto
França-Rio de Janeiro: uma ligação antiga

França-Rio de Janeiro: uma ligação antiga

01/04/2014

No início eram corsários; depois, vieram os artistas; por fim, profissionais especializados, com seus produtos chiques, ao gosto da elite brasileira. Resultado? O charme francês ainda vive entre nós.

Rio Multicultural - reportagens

texto
Hospedaria da Ilha das Flores: porta de entrada virou museu de imigrantes

Hospedaria da Ilha das Flores: porta de entrada virou museu de imigrantes

26/12/2013

O Rio de Janeiro é uma cidade multicultural. Na matéria inaugural da série sobre os imigrantes que deram origem à população carioca, conheça a primeira parada, na Ilha das Flores.

Rio Multicultural - reportagens